LOCOMOTIVAS GP-9

 

História

Uma GP9 é uma locomotiva construída pela General Motors Electro-Motive Division de 4 eixos e rodagem B-B entre Janeiro de 1954 e Agosto de 1963. A força é provida por um motor EMD 16-567C com 16 cilindros, cada um com 567 polegadas cúbicas (9.287,46cc), que produzem 1,750hp (1.3 MW). Essa locomotiva foi oferecida às ferrovias tanto na sua versão com como sem cabine. Locomotivas construídas sem cabine recebiam a subdesignação GP9B. A GP9B foi construída entre Fevereiro de 1954 e Dezembro de 1959.

3,436 unidades desse modelo de locomotiva foram construídas para as Ferrovias Americanas, 646 para as Ferrovias Canadenses e 10 para as Ferrovias Mexicanas. Cinco foram também construídas para o Brasil e Representam as nossas GP9’s da EFA. Das GP9B, 165 unidades foram construídas, todas para as Ferrovias Americanas.

Nos EUA muitas GP9’s reformadas continuam em serviço em shortlines e operações industriais. Algumas foram reconstruídas como SLUG ou Manobreiras para as Ferrovias Classe I Norte Americanas.

 

EFA

As GP9’s Brasileiras foram compradas pela Estrada de Ferro Araraquara em seu plano de Dieselização nos anos 50 para substituir a tração a vapor que se demonstrava mais custosa e menos eficiente. Chegaram em 1957 como GL9L já que eram locomotivas de peso aliviado e truques Flexcoil. Possuíam freio dinâmico, ventoinhas maiores (48″, contra as 36″ nos EUA) e grades traseiras do tipo galinheiro e não o gradil padrão quadrado da maioria das GP9 Domésticas. Na Estrada de Ferro Araraquara chegaram com pintura EMD padrão para ferrovias que não especificavam alguma pintura, sendo alaranjada com assas estilizadas em amarelo no corpo curto e duas finas faixas amarelas envolvendo uma faixa maior vermelha com as inscrições em amarelo “ARARAQUARA” no centro. Essa pintura também chegou ao Brasil nas EMD G12 compradas pela RFFSA para a VFRGS e nas GM G8 A-1-A que chegaram para a EFSLT.

Inicialmente numeradas de 1001 a 1005, na Fepasa foram renumeradas de 7001 a 7005. Receberam a pintura de transição da EFA-Fepasa, a pintura Azul com faixa branca, a Vermelha e faixas brancas (Coca-Cola) e a última, Branca, vermelha e preta, cores da bandeira de São Paulo.

Com o fim da Fepasa, sendo incorporada a RFFSA e sua posterior privatização pouco tempo depois, todas as GP9 foram transferidas para a concessionária Ferroban, que viria a se tornar a Brasil Ferrovias essas concessionárias por problemas administrativos não possuíam grande recursos para reinvestir em suas locomotivas, principalmente as mais velhas, como as GP9’s que já estavam na casa dos 45 anos de uso. Com seu desgaste natural e necessidade de manutenção as GP9 acabaram sendo encostadas rapidamente, provavelmente restando poucas, ou nenhuma ainda operacional.

Hoje muitas se encontram encostadas em Araraquara, junto com LEW’s Carros ACF, uma V8 e uma C30-7em uma fila da morte. Acreditamos que agora que a Brasil Ferrovias se tornou América Latina Logística. Algumas dessas maquinas sejam reformadas e devolvidas a trafego, como manobreiras ou locomotivas de trens de serviço, na bitola larga ou na métrica, porém nenhum parecer da própria ALL ainda foi dado.

Porém sem duvida a GP9 foi umas das locomotivas mais bonitas e de traços mais marcantes do Brasil. Alguns que as viram funcionar dizem que o barulho de seu 16-567C pode ser reconhecido a quilômetros de distância e chegam a compara-lo a uma sinfonia a seus ouvidos. Também se demonstrou confiável e robusta, pois fabricar uma locomotiva para linhas leves e oficinas mal equipadas para a tração diesel, como as de todo Brasil da época, não era algo fácil, visto que muitas locomotivas contemporâneas a GP9 pararam de circular por baixa confiabilidade, inexistência de peças no mercado e baixo rendimento muito antes delas.

Fonte: http://www.wikipedia.org.br

Postado em: 01/08/2011

NOVO SITE E LOJA VIRTUAL PRADO TRENS

Leave A Comment

You must be logged in to post a comment.

WhatsApp Converse conosco Online no WhatsApp